Quarta-feira, 25 DE Fevereiro 2009

 EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO

Betty Pop Gliter

 O AQUECIMENTO é uma condição indispensável a toda a sessão de Educação Física e Desporto qualquer que seja a sua natureza. Com efeito, os alunos vão ser solicitados no conjunto dos seus recursos e na procura da eficácia do movimento.

 
DEFINIÇÃO: Denominamos AQUECIMENTO a todo o protocolo de exercícios ou de tratamento preliminar de uma sessão de actividade física que permita que o sujeito atinja as condições óptimas (físicas, fisiológicas e psicológicas) com a finalidade de realizar as melhores prestações possíveis.
 
Quanto maior for o nível de um indivíduo numa determinada prática física, maior terá de ser a duração e a especificidade do seu aquecimento. Desta forma, a alto nível, para actividades de elevadas necessidades energéticas e técnicas, a duração do aquecimento pode ser superior a 1 hora e 30 minutos. A nossa intenção não é a de aplicar o aquecimento utilizado no alto nível para a prática escolar, mas sim de extrair dele as implicações fundamentais que permitam ao professor por em prática uma metodologia útil.
O aquecimento possui diversos objectivos que podem ser expressos em três rubricas:
- Prevenir lesões ao elevar a temperatura dos músculos em actividade e aumentar a lubrificação articular,
·      Aumentar o rendimento; um músculo cuja temperatura diminui em relação à normal, vê a sua contractilidade e o seu rendimento diminuir,
·      Melhorar as prestações; o aquecimento permite o aumento da velocidade de contracção do músculo, da potência desenvolvida e muito simplesmente da capacidade de trabalho físico.

 

 

Vantagens e efeitos do aquecimento sobre as grandes funções
 
Aspectos musculares
O aumento de temperatura local, no plano muscular, (passagem de 37 º a 38º centígrados) provoca uma diminuição da viscosidade muscular (frottements no interior do músculo); os músculos, os tendões e os ligamentos tornam-se mais estiráveis, o que proporciona uma diminuição do risco de lesão.
Sabe-se que o aumento de temperatura permite melhorar a capacidade de separação do oxigénio (O2) fixado pela Hemoglobina e como tal o seu rendimento de utilização (cerca de 15% por grau centígrado elevado). O músculo contrai-se mais rapidamente e com mais força. Além disso, a capacidade de utilização de substâncias energéticas e de oxigénio são incrementadas devido a um aumento da irrigação sanguínea em direcção aos músculos envolvidos. Enfim, o aquecimento permite aumentar a velocidade das reacções enzimáticas.
 
Aspectos cardiovasculares
O aquecimento provoca uma adaptação cardiovascular mais rápida. Permite um aumento do consumo máximo de oxigénio (VO2máx), da frequência e do débito cardíaco, de débitos musculares locais e da pressão arterial. Além disso, para uma mesma intensidade de esforço, as concentrações de lactatos no sangue diminuem.
 
Efeitos biomecânicos
 
Através do aquecimento, a elasticidade articular dos ligamentos e dos tendões melhora assim como também melhora, de uma forma notável, a lubrificação das articulações. Estas modificações, provocam uma melhoria na fluidez e na eficácia do gesto prevenindo os problemas articulares.
 
Efeitos neuro-musculares
 
Os influxos nervosos propagam-se muito mais rapidamente a uma temperatura de 38,5º do que a 37º.Com efeito, pode-se observar um abrandamento na velocidade de condução se arrefecermos a fibra nervosa, o que modifica a velocidade de contracção muscular e a velocidade de reacção do indivíduo, assim como os parâmetros psíquicos propícios à prestação motora tais como a vigilância, a atenção, a percepção, a concentração e a motivação.

 

 

A ALIMENTAÇÂO

 

Desde sempre a dietéctica apareceu ligada ao exercício físico.Já na Antiguidade, os Gregos consideravam a dieta (entendida como regimen alimentar) não unicamente como a indicação dos alimentos, mas também uma forma de vida.

No corpo humano, que funcionalmente podemos considerar como uma máquina, o músculo aparece-nos como o verdadeiro mecanismo que produz trabalho mecânico, conseguindo-o a partir da transformação da energia química armazenada que resulta da alimentação.

A alimentação deve merecer particular interesse, quer por nos acompanhar durante toda a vida quer mesmo por ser responsável, em grande parte, pela nossa saúde.

Nos nutrientes, podemos considerar os hidratos de carbono (açúcares), as gorduras, as proteínas e também as vitaminas e os sais minerais; os hidratos de carbono são a principal fonte energética do homem. Os açúcares estão armazenados, no organismo, sob várias formas: como glicose sanguínea, como glicogénio no fígado e, ainda, como glicogénio no músculo

Os seres humanos têm necessidades alimentares específicas, que variam em função da idade, do peso, da altura, do sexo, das actividades que exercem, etc. Porém, há leis que devem ser comuns a todos:

- Lei da Quantidade

comer, de forma equilibrada, o necessário;

- Lei da Qualidade

comer os vários alimentos que fornecem ao organismo todas as substâncias indispensáveis ao seu pleno funcionamento;

- Lei da Harmonia

comer proporcionalmente os diferentes alimentos, respeitando o equilíbrio necessário;

- Lei da Adequação

comer de forma adaptada às condições específicas de cada indivíduo.

Finalmente podemos ainda considerar a Lei das Três Horas - que é o tempo que o desportista deve respeitar entre a última refeição e a prática de uma actividade desportiva, porque durante a digestão a distribuição sanguínea é desigual, passando a haver maior concentração nas vísceras e menor afluxo às massas musculares, pelo que é preciso aguardar o reequilíbrio sanguíneo, para que os músculos possam estar preparados para o esforço físico sem o perigo de graves riscos.

O número ideal de refeições diárias é de cinco, sendo três como principais (manhã, meio-dia e jantar) e duas intermédias (a meio da manhã e a meio da tarde). Há ainda quem considere aconselhável tomar um copo de leite ao deitar.

 

O TREINO

 

Princípios do treino

O desenvolvimento das capacidades motoras processa-se mediante a relação contínua entre a carga de treino e a adaptação respectiva. É essa relação que permite desenvolver, no organismo humano, o ciclo de auto-renovação da matéria viva: no treino, a carga funcional provoca no organismo uma desorganização e decréscimo da capacidade de trabalho provocando fadiga. Durante o processo de recuperação (repouso e alimentação adequada o organismo reestrutura-se e permite aumentar a capacidade de rendimento.

São vários os princípios que na actividade desportiva importa respeitar, pois deles depende a melhoria da condição física e o conhecimento da aplicação das cargas e dos tempos de repouso, indispensáveis para se obterem as adaptações específicas.

Princípio da unidade / totalidade

A organização de todas as acções que integram uma sessão de treino deve constituir um processo coerente, interligado, sistematizado e progressivo, ou seja, deve revelar uma unidade com princípio, meio e fim. Em todas asa unidades desportivas aumenta-se o rendimento dos praticantes quer através das competições, quer, essencialmente, da utilização correcta das cargas de treino.

Essa carga tem como objectivo principal dotar o organismo de processos de adaptação que lhe permitam superar, física e psicologicamente, os esforços.

Componentes da carga Caracterização.
Intensidade Grau de empenhamento em função do máximo das possibilidades do praticante.
Volume Totalidade do trabalho executado.
Duração Tempo necessário para a execução de um exercício ou conjunto de exercícios.
Densidade Conjunto de pausas ou intervalos da unidade de treino, que permitem manter uma correcta relação entre a carga e a recuperação. A uma carga mais intensa deve corresponder uma pausa maior.
Frequência Quantidade de repetições de um exercício, variando em função da capacidade de recuperação de cada atleta.

Princípio da progressão

As cargas de treino devem ser aumentadas de forma gradual e progressiva à medida que o treino avança, pois só assim se consegue aumentar a capacidade de rendimento.

O repouso é uma parte integrante do treino, que permite a recuperação do esforço e a repetição do exercício.

Princípio da reversibilidade

As adaptações variam segundo o tipo de esforço e o tempo de repouso. Há adaptações que desaparecem muito rapidamente e outras de forma mais lenta. Quanto mais tempo se demora a adquirir a adaptação ao esforço mais tempo se demora a perder essa capacidade; também, quanto mais rapidamente se conseguir essa adaptação, mais rapidamente se pode perder essa capacidade. As adaptações ao esforço desaparecem após algum tempo; por isso, é indispensável a continuidade de trabalho.

 


publicado por ana às 00:55
Assuntos tratados no blog: ,
pesquisar neste blog
 
arquivos
2012
2011
2010
2009
data="http://widgets.clearspring.com/o/4898b057a9ce26f0/4a8c3860b375d0d7/48e68dc2dd37187c/952a31d3"
mais sobre mim

WEBQUESTS   

 

   Desporto é saúde 

  Basquetebol